autumn

"Eis me aqui então!" Caminhadas e experiências com a alma da paisagem - Parte 1

Início pdf share

Sou apaixonado por caminhadas desde a infância. Ainda adolescente, busquei repetidamente a floresta e as regiões selvagens– como lugares de silêncio, lugares de encontros íntimos com pedras, árvores, plantas silvestres, animais silvestres, rios, montanhas, cavernas, estrelas e fenômenos climáticos.

Nos últimos três anos, fiz caminhadas de longa distância por cerca de quatro semanas em cada setembro. Em três seções eu caminhei sozinho de Dortmund (Alemanha Ocidental) a Zurique (Suíça). Quase sempre passava a noite na floresta, numa rede entre duas árvores, num saco de dormir aquecido.

Essa intensa imersão na natureza me transformou. Meus sentidos despertaram para a complexa interação de paisagens de montanhas e vales, de cheiros e fragrâncias, de florestas decíduas, coníferas e mistas, de várzeas fluviais, paisagens de charnecas e prados, de vegetação e populações de animais, de formas de assentamento de aldeias e das muitas pessoas que me encontram cara a cara em minhas caminhadas em uma determinada região – e isso em um dialeto muito único, uma atitude um pouco voltada para ou bastante reservada.

Nas minhas caminhadas tive a experiência muito direta de que todos esses elementos não estão sozinhos. Eles se entrelaçam das mais diversas formas. Eles formam um padrão holístico, um tecido de paisagem, uma alma de paisagem.

 

A alma da paisagem

Nas diferentes regiões chamadas Sauerland, Siegerland, Taunus e Odenwald, no Kraichgau, na Floresta Negra, no Swabian Alb – encontro almas de paisagem muito diferentes. Sinto que esses mosaicos de paisagens são entidades vivas que querem ser percebidas. Percebidas de uma forma em que eu tente entrar no espírito dessas almas da paisagem, ouvir, maravilhar-me, não ser um corpo estranho, mas uma “criatura” que simpatiza, que integra.

É por isso que ando devagar, quase meditativamente. Não é importante para mim atingir uma meta de caminhada, completar uma certa distância. Eu faço muitas pausas. Quero entrar em contato íntimo com a alma da paisagem.

A cada passo que dou, posso sentir meu caminho no solo às vezes rochoso, às vezes lamacento, às vezes arenoso. Uma e outra vez eu posso parar e ouvir um riacho murmurante, um canto de alerta de pássaro, o farfalhar dos álamos prateados ao vento, sentir as almofadas de musgo maravilhosamente macias nos tocos de árvores, olhar para as folhas de carvalho brilhando vermelho-dourado à luz do sol ou observar uma raposa caçando ratos pelo decorrer de uma hora.

 

Tendo chegado

Após cerca de uma semana de caminhada, “cheguei” neste tecido paisagístico. Movo-me fluidamente, fluindo organicamente na paisagem, e pareço ser percebido cada vez menos como um corpo estranho. Animais selvagens como raposas ou veados se atrevem a se aproximar da minha rede de manhã e à noite. Muitas vezes eles ficam a poucos metros de onde eu durmo. Tenho a sensação de que eles podem cheirar e ver quem pertence e quem não pertence. Encontramo-nos como seres vivos intimamente ligados a um organismo comum, a "alma da paisagem".

Essa chegada ao tecido da paisagem tem claramente a ver com a orientação mental. A floresta é um poderoso "triturador de pensamentos". Respirar o ar puro da floresta, ouvir o fino gotejar ou borbulhar de um riacho, observar as espigas de grãos balançando ao vento também faz meus padrões de pensamento fixos fluírem. Eles vêm e fluem – e depois de um tempo eles são “triturados”, eles perdem seu caráter atormentador, intrusivo e convincente. Os pensamentos podem surgir, mas na pura esfera etérea da floresta eles não podem se manter por muito tempo, eles fluem, eles passam. A floresta os leva à dissolução.

É um tornar-se vazio, uma purificação, um devir aberto e curioso pela essência da natureza. Nessa abertura e permeabilidade, não me vejo mais como o centro do universo, mas como um pequeno, mas não insignificante, hólon no grande todo. A natureza aberta, não intencional e inocente de minha percepção me permite sentir uma conexão íntima com as pedras, plantas, animais, pessoas, com os quatro elementos: fogo, terra, água e ar, bem como com o quinto elemento, a alma do mundo que envolve tudo, com as estrelas no céu, com o cosmos.

 

O mundo interior

Isso me faz sentir muito diretamente o interior do mundo que conecta todas as criaturas do universo umas às outras, de onde elas respiram e extraem força.

Isso me permite experimentar minhas próprias raízes de alma, que cresceram a partir desse mundo interior. Um fluxo de energia graciosa e criativa flui através dessas raízes da alma. Essas raízes dão uma confiança fundamental e inabalável na vida.

Quando encontro pessoas na floresta, muitas vezes me perguntam se não tenho medo de passar a noite sozinho no meio da floresta. Eu então tento fazê-los entender que não há lugar mais seguro no universo do que as florestas nesta parte do mundo. Sob as raízes e galhos das árvores sobre os quais estendo minha rede, as "raízes da vida" de alcance muito mais profundo são palpáveis, alcançando o interior do mundo. Deles flui uma vitalidade e uma criatividade constantemente renovadas. A floresta, o mundo da montanha, a natureza como um todo nos dá uma grande riqueza de ideias novas, de soluções criativas, de imagens e símbolos que chegam ao nosso mundo dos sonhos. Depois de cada um dos meus períodos de caminhada, sonho por semanas em casa da forma mais intensa nessas imagens e mundos simbólicos da natureza. É um “banho” na atmosfera do interior do mundo – pelo menos, é assim que me sinto.

Nesse enraizamento, nessa confiança na vida, posso "segurar" alguma coisa. A alma se mostra nesse "segurar-se". Posso aprender a suportar realidades e atitudes paradoxais e aparentemente contraditórias, a deixá-las lado a lado. Há uma linha tênue entre o engajamento aberto e uma certa distância das coisas. Recuo um pouco, maravilho-me e escuto, simplesmente percebo o que é, na natureza e também no encontro com outras pessoas.

Eu não deveria estar muito fortemente "identificado", caso contrário não posso mais ser um mediador, um facilitador, um companheiro de alma. É preciso um equilíbrio entre presença física, aterramento e intuição espiritual. É preciso um equilíbrio entre inspirar e expirar, entre contemplação profunda e silêncio (também e especialmente na natureza), devoção e atividade de autoesquecimento no meio da sociedade. Nessa capacidade de segurar, nesse meio espiritual de conexão, posso descobrir espaços - espaços internos do mundo. A partir desses espaços, posso criar sem medo e com maior criatividade. Aqui existem potenciais de poder que querem ser expressos através de mim: ideias, intuições, qualidades de escuta, potenciais de consciência integradores, espaços de consciência que podem ser disponibilizados a todos que estão abertos a isso.

Início pdf share