Feather in Ocean

Liberdade

Início pdf share

Absolutamente todos nós, em diferentes fases de nossas vidas, em diferentes momentos de percepção, experimentamos tanto o sentimento de limitações impenetráveis ​​quanto a sensação de ter uma gama mais ampla de opções.

De acordo com o dicionário, liberdade é a capacidade de uma pessoa exercer sua própria vontade. Mas vamos pensar: a nossa vontade é independente e ilimitada? Ou ela é orientada e guiada pelas circunstâncias e pelo passado pessoal (embora essas coisas não sejam realmente diferentes)?

O que podemos dizer sobre as circunstâncias? São elas restritivas por si mesmas ou é a nossa atitude em relação a elas que nos bloqueia? De qualquer forma, o próprio desejo de mudar essas circunstâncias é indicação suficiente de nossa dependência.

Quaisquer que sejam as circunstâncias, nosso desejo de libertação é geralmente uma forma de resistência contra elas e qualquer resistência leva a um aumento da sensibilidade externa e exacerba o sentimento de ser limitado. No entanto, isso não leva à libertação.

O que podemos dizer sobre o passado pessoal? Não é verdade que a vontade exercida ontem em grande parte nos leva ao seu tipo de manifestação hoje? Como diz Krishnamurti, nossas ações são determinadas por nossas ideias, que por sua vez são determinadas por nossas experiências de vida.

A liberdade relativa e superficial neste mundo nos ajudou apenas a criar o nosso mundo, exatamente como ele é agora. No entanto, em direção ao seu estado atual, nossa vontade se manifesta na forma de reações. E as reações são secundárias e impulsivas, o que significa que não há criatividade alguma.

Para nós, a liberdade é o direito de escolher – o chamado livre arbítrio, que, diz-se, é o maior dom recebido pelo ser humano. Um símbolo do livre arbítrio no Antigo Testamento, por exemplo, é Eva. Adão, que a recebeu, beneficiou-se de todas as qualidades de seu criador (o que é expresso pelo fato de que Deus criou os animais e os enviou para Adão para que ele os nomeasse).

O que, então, o livre arbítrio significaria para tal totalidade? Como Eva foi criada a partir da costela de Adão, ela é a personificação da possibilidade de uma vontade isolada do todo. E, como se sabe da história bíblica, a cobra conseguia falar apenas com ela. E aquele Adão, que escolheu exatamente ser separado, como resultado foi forçado a fechar cada decisão em si mesmo, e essa decisão subseqüentemente o conduziu até que sua carga se esgotasse.

O que a necessidade de escolher sugere, agora? Não é nosso desejo nos identificarmos – sermos algo mais tangível, mais estabelecido, mais significativo? Mas todas essas afirmações não são o oposto da independência e do ilimitado? Nesse sentido, cada escolha nos torna cada vez menos livres.

Não podemos negar a predestinação à qual nos submetemos, o destino evocado por nosso próprio passado e sua não-conformidade com as leis da natureza.

Há muito tempo as religiões orientais e, mais recentemente, a física moderna, nos mostram que não há uma única partícula no universo que tenha sua própria existência separada, e tudo é o resultado da interação de todos.

Nesse caso, existe liberdade?

É claro que existe, mas somente para o Todo compreendendo todas as possibilidades, e não para a oportunidade individual manifesta, que busca ganhar terreno para si, mesma, tornando-se assim fixa e imóvel, isto é, não receptiva e sem vida.

Qual é o caminho de volta? Não há nada de concreto (a palavra “concreto”, em latim, significa duro) que precisemos fazer para superar nossas limitações pessoais ou nos libertar delas, e sim para nos conscientizarmos imediatamente dessas limitações. Ao ver nossas fronteiras, nós realmente vemos as leis pelas quais a natureza opera.

A base de todas as dependências é o nosso desejo de ser mais significativo e proeminente em meio a tudo o mais. Podemos chamar isso também de desejo de liberdade pessoal. Essa liberdade é nossa maior limitação. E porque essa liberdade é evocada pelo nosso desejo de sermos significativos, seus impactos gerenciais são direcionados para esse desejo.

Tornar-se privado do impulso autocentrado de liberdade e significado pessoal afasta o fulcro de todas as dependências, as quais perdem a capacidade de nos controlar. Quando a parede que erigimos dentro de nós para resistir e enfrentar todos os desafios desaparece, então não é mais possível que algo nos atinja ou faça pressão. As correntes da vida fluem naturalmente, tanto em geral como para a individualidade que representamos.

Não há opostos, não há confronto, não há dependência.

Como dito antes, todas as oportunidades estão presentes apenas no todo, e a privação do desejo do indivíduo de ser importante leva ao relaxamento e à receptividade, isto é, à abertura para o todo.

E a liberdade sempre esteve lá.

De fato, no que diz respeito ao ser humano, a própria abertura é a liberdade. Quando o ser humano, assim, torna-se receptivo a algo mais universal e absoluto, isso pode ser ainda mais corretamente denotado como Liberdade.

Não é pessoal. É a própria Liberdade.

Início pdf share