Soul

Onde está sua alma?

Início pdf share

Onde está sua alma? Nas sensações? Nos sentimentos? Nos pensamentos? Nas suas decisões de vida? Ou está afastada, nas nuvens, lá no alto místico e inalcançável?

Qualquer que seja sua resposta, será sempre parcial.

A alma que está nas sensações só pode tatear, saborear, cheirar, ouvir, olhar. Ela colhe do mundo as belezas e prazeres, mas também as cenas horrendas e o sofrimento.

A alma que está nos sentimentos deseja, tem vontade e se identifica com suas emoções. Ela tateia, aspira, saboreia, ouve e contempla o amor, a esperança, a solidariedade.  Com seu desejo e vontade constrói castelos de sonhos, almeja elevar-se, salvar-se, transfigurar-se.

A alma que habita os pensamentos mistura tudo isso. Ela organiza, registra, classifica, define, elabora, faz conexões racionais e, por fim, opina. Ela cria seus dogmas pessoais, influencia pessoas, debate, chega a elevar-se até os conceitos mais sublimes, mas não cede seu lugar para o indizível e transcendente.

Todas essas capacidades básicas da sua personalidade não passam de degraus de uma pintura de Escher: com elas, descendo ou subindo, sua alma estará sempre no mesmo plano.  

Por mais que se debata entre sensações, sentimentos, pensamentos e reações, ela está atrelada ao envoltório, à superfície, ao corpo denso, etérico, astral e mental. Ela está delimitada pela consciência apegada à vestimenta da personalidade.

Mas, na verdade, a alma que tem sensações, se emociona e deseja, pensa e classifica, é a alma mortal. A alma eterna não apenas anima nosso ser físico, etérico, astral e mental, mas, acima de tudo, nos transforma, transmuta e transfigura. Ela é uma nova consciência, que está ligada à sua quintessência, à consciência universal e eterna.

Por isso, é dito nas escolas espirituais de todos os tempos que é preciso “tecer uma nova veste, uma veste de luz”. Só assim nasce uma alma totalmente diferente, uma alma nova, resplandecente, que vive fora do tempo e do espaço, mas que viaja por todos os tempos e espaços, reluzindo Amor: uma alma que traça um caminho estelar, uma rota certeira, com o objetivo único de resgatar a humanidade de seus descaminhos milenares. Por isso, ela é simultaneamente salvadora, redentora e libertadora. 

Ela não habita plano algum, não está somente no alto ou no baixo, no dentro ou no fora, no pequeno ou no grande -  como diz Hermes: tanto faz, pois o absoluto abarca o relativo. 

E é sempre Hermes quem ensina: ela é una com o Uno divino e único, que está no centro de todas as coisas – e o centro está em toda parte. E assim ela atravessa as dimensões do espaço-tempo riscando com sua Luz o microcosmo, o cosmo e o macrocosmo com seu Som universal, que cria a harmonia das esferas de Pitágoras.

Em Hermes, ela é, ao mesmo tempo, o Pimandro e o Nôus. Em Lao Tsé, ela é o sábio que não deixa rastros, que pratica o não-agir e que caminha no Tao. Platão a dispõe em vários níveis, a partir do Uno até o mais ínfimo ser, em um dinamismo luminoso de processos e conversões em um sagrado retorno às origens, conduzido por mônadas e divindades interiores. Da simplicidade monádica à multiplicidade turbilhonante dos seres do universo, tudo pulsa a alma eterna!

Artistas, pensadores, filósofos e pessoas comuns, como nós, todos podemos ter acesso a essa alma imortal: basta esvaziar nosso ser de todas as sensações, sentimentos, pensamentos e reações automáticas que colecionamos ao longo da vida e ouvir a Voz do Silêncio.

Fernando Pessoa, que traduziu essa obra-prima coletada por Blavatsky no arquivo akáshico do universo, resumiu tudo o que precisamos fazer para captar essa força, essa potência, essa potencialidade:

Para ser grande, sê inteiro: 

nada teu exagera ou exclui.

Sê todo em cada coisa. 

Põe quanto és no mínimo que fazes.

Assim em cada lago a lua toda brilha,

porque alta vive.

Assim, a alma eterna preenche todo o nosso ser, em cada ínfimo recanto de nossa personalidade física, de nossa alma de sensações, sentimentos e pensamentos. Porque, vivendo no Sagrado dentro-fora, alto-baixo, pequeno-grande, sem exagerar ou excluir nada, seremos íntegros, inteiros, completos, plenos. E a ação é o coroamento desse processo: a ação no aqui e agora – a ação efetiva, no mundo dos seres humanos, onde nos inserimos. Porque o centro da nova alma é o próprio Todo.

Só então, sendo o Todo em cada coisa, poderemos brilhar. 

 

Início pdf share