Shiva und Parvati

Poder e consciência nos relacionamentos - Parte 1

Início pdf share

A dupla divina Shiva/Shakti precisou de um longo e doloroso processo para reunir os polos extremos da ascese e do êxtase, da independência e da fusão simbiótica, da aversão ao mundo e do devotado "cuidar do mundo" com consciência amadurecida. Shiva e Shakti crescem e se transformam em uma dança criativa em força e poder com vários estágios de amadurecimento.

A história de amor de Shiva e Shakti começa com um problema. Um demônio poderoso, o grande Asura Taraka, ameaça os reinos dos deuses e dos homens. Um sábio vidente profetiza que somente um filho de Shiva e Shakti terá o poder de deter o invasor.

 

Aponte-me uma mulher em todo o universo

Os deuses então se voltam para Shiva, que mais uma vez está na solidão gelada das profundezas que fazem esquecer que o mundo existe. É só com muita relutância que ele sai de sua meditação. "Aponte-me uma mulher em todo o universo que possa suportar o fogo consumidor do meu ascetismo sem se queimar nele, e eu me casarei com ela!", diz finalmente Shiva.

Os deuses se voltam para Shakti e lhe pedem que se encarne na forma de uma mulher para que, junto com Shiva, possam ser pais do filho que vai trazer a libertação do demônio Taraka. Shakti concorda em ser trazida para o reino terrestre e, pouco depois, nasce como filha de um rei. Seu nome é Sati e ela cresce e se torna uma mulher de extraordinária beleza.

 

Sati

Quando ela chega à idade de casar, seu pai convida muitos príncipes bonitos e Sati está a ponto de escolher um noivo. Mas ela não quer escolher nenhum dos pretendentes. À noite, quando um mendigo despido (que é Shiva em forma terrestre) aparece diante da janela de seu palácio, seus olhos ficam mergulhados nos olhos um do outro. Shiva começa a dançar com passos poderosos. À vista de seus graciosos movimentos, o coração de Sati fica subitamente inflamado de amor. Embora o rei esteja relutante em casar sua filha com o monge mendigo, Sati confirma sua resolução. O ritual de casamento pode acontecer. O noivo muito incomum aparece no dia do casamento montado em um touro. Sua pele está manchada com as cinzas dos locais de cremação; serpentes sibilam ao redor de seus braços e de seu pescoço. Um raio ardente de luz emerge de seu terceiro olho aberto. É Shiva que agora faz circular o fogo do casamento sete vezes junto com Shakti, e depois se instala com ela na poderosa montanha Kailash.

Uma vez lá, ele a envolve em seus braços e a aquece com seu calor ardente. Então, ele afunda na imensidão sem limites de um amor que dá origem a mundos, de coração a coração, sempre com ela.

E assim se inicia o jogo da criação entre os dois. E é ela quem o conduz. Ele a segue com profunda devoção e se deixa moldar por ela em miríades de formas criativas. Tendo se tornado um com a vontade dela, ele gosta tanto de seus caprichos e brincadeiras quanto da alta sublimidade de seu poder materno. No jogo de seu dinamismo, ao qual ele se entrega de bom grado, ela dá à luz ao mundo: o tempo, o espaço, o sol, a terra, a natureza se tornam realidade.

Tudo o que ela cria ele preenche com sua consciência.

 

O jogo criativo chega ao fim

Mas esse jogo de amor criativo de repente chega ao fim. O pai de Sati convidou parentes e amigos para um ritual de sacrifício sagrado, mas apenas Shiva e Sati são excluídos. Quando Sati toma conhecimento disso, ela cavalga com raiva para o lugar do sacrifício e confronta seu pai. Seu pai lhe explica que não queria que Sati e Shiva estivessem lá porque nenhum deles é puro o suficiente para esse ritual sagrado. Isso faz com que Sati fique ainda mais zangada e, seguindo um impulso selvagem, ela se joga no fogo sacrificial. Seu último pensamento é o de que deseja se reencontrar com Shiva em outra vida.

Quando Shiva fica sabendo da morte de sua Sati, sente-se tomado pela dor da perda. Deprimido pela dor, ele avança até o altar sagrado de fogo e levanta o cadáver carbonizado de Sati das cinzas ainda quentes. Segurando o corpo sem vida em seus braços, ele dança ao redor da terra em um poderoso sapateado para expressar seu pesar. As montanhas tremem, os mares rebentam suas margens, o universo estremece, o sol escurece e todos os seres, em todos os níveis, congelam paralisados pelo medo.

Somente Vishnu, o guardião do mundo, pode impedir Shiva de continuar com sua poderosa dança de destruição. Shiva volta à razão, reconhece imediatamente que sua imensa dor é baseada no apego e retorna imediatamente ao cume do Kailash. Todo o contato entre ele e as formas do mundo se dissolve novamente; toda a sua consciência flui de volta ao seu elevado campo do Ser. Shiva descansa novamente na imensidão de uma autoconsciência transcendente.

 

Parvati

Mais uma vez os deuses pedem a Shakti para encarnar na Terra para que o salvador dos mundos possa tomar forma através dela. Dessa vez, ela nasce como a filha de Himavan, a personificação dos Himalaias, e sua esposa Menaka, e recebe o nome de Parvati. Entre todas as suas virtudes, destaca-se especialmente sua firme vontade. Quando Parvati atinge a idade de casar, Shiva ainda está sentado em total reclusão, em Kailash. Assim, Parvati vai para as alturas estéreis dos Himalaias. Ela passa seus dias lá no alto, em devoção ritual e rendição silenciosa direta ao grande Shiva. Uma e outra vez ela implora ao grande deus, cujo fogo ela sente, que a perceba apenas uma vez. Parvati desenvolve imensa paciência e devoção. Ela não cessa de adorá-lo em todas as formas de devoção ritual. Ela tem de provar que todo o seu poder é igual ao todo da consciência dele, mesmo nas regiões de ascese. Ela precisa aprender a direcionar completamente seu poder para ele, e esquecer o mundo e a si mesma em concentração e devoção.

A notícia do poder espiritual cada vez mais amadurecido de Parvati espalha-se por toda a região montanhosa. Um dia, um velho asceta que vagava por ali, chega à casa de Parvati e lhe pergunta por que ela está enfrentando todas essas dificuldades. Ela lhe explica que sua alma escolheu Shiva como seu marido e que ela o conquistará com sua conduta muito pura. "Minha alma anseia pelo impossível!". Por fim, o caminhante implora que ela desista de seu pedido. Ele a adverte: "Um grande perigo emana dele. Ele é a forma sem forma perante a qual todas as coisas e águas perecem!". Mas Parvati permanece firme e não será dissuadida de sua decisão. Então, de repente a aparência do asceta peregrino se transforma. O grande Shiva está diante de Parvati. Ele lhe confessa que não pode mais resistir ao seu enorme poder e a pede em casamento mais uma vez. Então, a vontade e a consciência do grande Shiva descem sobre ela. Eles se interpenetram mais uma vez, e ela o carrega com a força do poder purificado em todos os planos da existência do universo.

 

(continua na Parte 2)

 

 

Início pdf share